Branco mais branco (continuação de Momento de Reprise)

Musica: Steve Conte – Stray

Dedicado: Kun-Kun/Irmãozão/ Filipe F.

“... A neve cai, lenta e tranquilamente. Caminhando sob a neve acumulada no chão. Estou eu. Procurando por algo, Algum lugar. Cheirando sem nada sentir, caminho para alguma direção. Escondida na brancura da neve. Uma caverna. Adentro nela e vejo. O Meu irmão...”


Andava sob um gramado verde e molhado. Corriam alegre, momentos de felicidade pisoteando a grama e o resto da neve que sumia com a chegada da primavera, longe de min, podia ver um lobo preto deitado sob o sol, se secando da água derretida.

Eu? Eu sou um lobo cinza que vivo com o meu irmão. Eu sou um pouco mais velho, mas somos muito parecidos tirando a nossa cor, andamos junto faz algum tempo. E agora, este sonho que um dia eu tive como realidade. Esta a ponta de acordar.

***

Corremos sob uma tempestade de neve, mal enxergando os nossos focinhos a frente. Passando por grandes arvores cheias de neve acumuladas que caiam sob nós, quase nos acertando para nos assolar debaixo delas.
 
- Cuidado! – adverte o lobo cinza.

- Ok! – responde o lobo preto.

Continuando a correr, vendo arvores e mais arvores a nossa frente, ate vermos apenas branco novamente.
Sem parar de correr. Tocando gelo congelado quando passamos por cima de um lago. Podias sentir a água parada abaixo de nós, fazendo os nossos pelos se arrepiarem de frio.

- Não Pare! - adverte novamente o lobo cinza.

- Tudo bem! – responde de novo lobo preto.

Atravessando o lago, subindo uma colina, poucas arvores podiam ser vistas. Ate chegar no topo.

Paramos para observar as montanhas no topo da colina, e podia ver atrás delas, os raios de sol.

Arfando um pouco de cansaço, por correr por horas. O lobo preto olha mais aliviado.

- Achamos o lugar que ela veio parar... Certo? – pergunta ele olhando para o seu irmão, agora sorrindo.

- Sim, atrás daquelas montanhas está o que estamos procurando há quase dois meses. – responde o seu irmão, mais aliviado agora.

Ambos começavam a trotar colina a baixo seguindo para as montanhas.

***

No meio das montanhas, debaixo de outra tempestade de neve, agora com um vento forte, os dois lobos passavam por um caminho íngreme, caminhando através de algumas fendas, hora pulando ou se espremendo entre as paredes.

Ouvindo um som de pedra caindo, ambos paravam atentos, e via se pedras rolar para baixo da montanha.
O lobo cinza ficava com as patas tremendo, provavelmente por não descansar a algum tempo. O seu irmão vê, e instintivamente, esfrega o seu rosto no seu pelo numa tentativa de esquentá-lo.

-... Brigado – diz o seu irmão lobo cinza.

- Nada mano... Vamos indo... – diz ele empurrando o irmão.

***

Cruzando as montanhas, respirando fundo, os dois olham parados para a vista deslumbrando a sua frente.

De olhos bem abertos ambos olhavam, para aquele vale verde, com o sol quente e o vento frio da montanha, tudo misturando.

Ambos desciam para um riacho que corria calmo, desabavam sob as suas patas, e de olho fechados.

Em um rápido instante, Ambos sentem o cheiro que tanto procuravam. Levantam-se e caminham para o riacho, o olhando.

Passando uma curva, dentro do rio, podem ver uma flor vermelha, correr riacho à frente. Eles se sentam, vendo o riacho levar a flor, que sumia mais frente.

- Era esse o cheiro mano? – Pergunta o lobo preto.

- Sim... O Cheiro de “Bons Momentos” – responde ele que fechava os olhos e deitava, cochilando.
O lobo preto se deitada.


- Humm... Cheiro de “Bons Momentos” ... Cheiro bom... – diz ele indo dormir.
Reações: