Sedução
Capítulo 09
1
- Surpresa? – mas que tipo de pergunta era aquela?
- Como... – as palavras fugiam de mim, eu não conseguia acreditar no que estava vendo.
Quase como se estivesse a ceder a um instinto, pulei em direção a Sawl, senti seus braços envolverem-me em um forte abraço. Vic ficou a observar tudo de onde estava. Ela parecia mais surpresa do que eu.
- Fui absorvido das acusações, um novo teste foi feito e este acabou tendo resultado negativo, depois ele fizeram outro e o resultado foi o mesmo, o sangue não era dela, e sim meu como devia de ser. Certo?
Eu não podia ver, mas tinha certeza que naquele instante meus olhos brilhavam olhando para Sawl. Como alguém poderia se apaixonar por outra pessoa tão rapidamente o quanto eu havia me apaixonado por Sawl?
Poderia parecer loucura, ou estupidez mesmo. Mas eu sentia algo muito forte dentro de mim que me ligava a Sawl, talvez eu tivesse me afogado na imensidão negra de seus olhos deste o primeiro dia em que o vi. Ou talvez, eu simplesmente, tivesse achado o amor da minha vida e ele assim sendo, completasse em mim a parte que faltava onde a linha da minha existência se tornaria a estrada da minha VIDA.
- Vamos ver um bom filme? – disse Sawl mostrando os bilhetes em suas mãos – precisamos esquecer essas coisas chatas, esses acontecimentos tumultuosos.
- Bem, esse parece ser nosso famoso Sawlver Cristopen – disse Vic.
- Vic! – repreendi.
- O que foi? – questionou.
- Fala de mim com sua amiga? Vic? – aquilo estava começando a ficar constrangedor.
- Isso mesmo. Prazer em conhecê-lo – Vic estendeu a mão e Sawl apanhou-a e levou-a aos lábios.
Eu não estava, definitivamente, acreditando naquilo.
- O prazer é todo meu.
- E sim. Ela fala e muito, isso dentro do tempo disponível que nós temos encontrado ultimamente para conversar.
- Sawl olhou vagamente o lugar e deu um sorrisinho contraditório.
- O que foi? – Perguntei, mas risonha do que ele.
- Hã. Nada.
Nossas mãos permaneciam juntas, eu estava bem ao seu lado e Vic nos encarava.
- Três ingressos? – questionei.
- Sim. Meu, seu e de sua amiga.
- E como sabia que eu estaria aqui hoje? E acompanhada da Vic?
- Eu não sabia. Só apenas vim ao Shopping, e quando cheguei, avistei as duas em frente a uma loja de sapatos, a intenção era comprar os ingressos e ir convidá-las depois, mas, acabei já as encontrando aqui.
Vic olhou para mim dando quase que uma “bufada”, e com um olhar de incrédula.
- Então vamos aproveitar – disse Vic e saiu logo em seguida. Nós a acompanhamos atrás.

2

Salas lotadas.
Depois de quase sofrer um massacre nas filas em direção a sala, agora, disputava por um bom local.
- Vic! – Chamei-a. Eu a avia perdido de vista.
- Estou aqui – aqui? Bem longe eu diria.
- O que está fazendo ai?
- Eu não vou atrapalhar o programinha dos dois. Por favor!
- A minha nossa – naquele instante eu queria abraçar e torcer o pescoço de Vic ao mesmo tempo.
Queria realmente que ela não ficasse tão próxima, dando a mim a possibilidade de conversar sossegada com Sawl, já que, aparentemente, se ela estivesse ali atrapalharia com suas perguntas foras de hora e palpites. Mas também, não a queria tão longe o quanto ela estava.
- Droga Vic – sussurrei.
- Algum problema? – perguntou Sawl.
- Não. Nenhum.
Sentamos bem ao meio da sala, um local perfeito, pelo menos eu o assim considerava.
O filme correu tranquilamente, os cochichos com Sawl de vez enquanto, a respeito do filme ou de outras coisas paralelas qualquer. Tudo parecia ir bem.
- Vou lá fora um instante. Já volto – disse ele.
- Tudo bem – consenti.
Ele passou vagarosamente entre as poltronas da sala, e foi andando em meio à escuridão até que não pude mais avistá-lo.
Uma boa aventura realmente caiu bem naquele programa. Este era o gênero do filme. Alguns instantes se passaram e em meio a tiros e pessoas sangrando, percebi o regressar de Sawlver.
- Não chegou nem perto de demorar – disse-lhe, ainda de olhos fixos a cena para não perder a ação.
Ele sentou a poltrona e nada disse. “Achei estranho”.
Viro-me em sua direção então.
- Mikael? – aquilo havia sido muito mais do que um cochicho. Na verdade um quase berro.
Todos ao redor olharam para mim.
- O quê você está fazendo aqui? – questionei-o. Agora em um tom mais inaudível.
- Só vim te dar um “oi”.
- Qual parte do “Desapareça da minha vida”, você não conseguiu compreender?
- A parte em que minha vida depende da sua, e que sua vida está ligada a minha.
- Suas frases românticas se tornaram completamente inúteis. Sabia?
- Hurum – murmurou Mikael – assim como tocar sua pele não a arrepia mais.
Mikael tocou minha nuca, e vez um leve movimento, descendo...
Eu bati nela de volta fazendo um “clac” bastante audível, alguém um pouco mais distante poderia tomar aquilo como o som de um tapa. E dos bons.
- Não toque em mim – encarei-o furiosamente.
Por mais que uma desgraça. Assim presumi. Os pelos de meus braços estavam arrepiados.
Mikael encarou os pelos eriçados, e voltou o olhar para mim. Em seguida, simplesmente despejou um de seus belos e provocantes “sorrisos debochados”.
- Pare com isso.
- Parar com o que? – questionou.
- De sorrir – disse.
Ele deu uma leve risada.
- Meus sorrisos te provocam Amy?
Naquele mesmo instante me arrependi de ter dito aquelas palavras. Virei para frente e tentei ignorá-lo. Tentei.
- Você...
- Vá embora – interrompi-o.
- Não enquanto eu não conseguir outro beijo e outra chance de poder terminar de falar o que tenho a dizer.
- Vai pro inferno – protestei.
- Impossível – afirmou.
- Ah é. E por quê?
- Sou um anjo – disse ele dando mais um de seus sorrisos... “ridículos”.
- Anjos também perdem suas asas, e você parece já ter sido depenado a um bom tempo.
- Isso não é um bom elogio para se ouvir de um “protegido”.
- A única coisa da qual você me protege é de você mesmo.
- Isso porque você não me permitiu proteger-lhe de outras coisas.
Eu já não o suportava mais.
Levantei-me e fui em direção a saída. Por pura teimosia ele vinha trás de mim.
Empurrei a porta de saída com força e passei apressada, batendo assim de frente com Sawl que estava voltando.
- O que aconteceu?
- Vamos embora - disse-lhe.
- Embora por quê? O que aconteceu? E a Vic?
- Por favor, Sawlver, vamos agora.
- Não antes, sem falar comigo – disse Mikael, passando pela porta encarando Sawlver e a mim.
- Então é você – disse Sawl.
- E você já saiu da cadeia?
- Sim. Posso até voltar – analisou – mas primeiro vou quebrar sua cara.
Sawlver saiu em direção a Mikael e esse fez o mesmo.
- Isso de novo não – suspirei. 

Reações: